A Quénia lidera os esforços da África para eliminar o chumbo na pintura

Ele sorriu e riu com brilho.

Riziki e Juma esperavam ansiosamente o seu primeiro bebê - então, quando ele nasceu, tudo parou. Pelo menos por alguns dias.

Cada paso foi um momento para amar, quando eles o observavam sorrir e rir às seis semanas, sentar-se sozinho aos sete meses e andar com um ano de idade. Para esses novos pais, ter uma casa espaçosa era uma decisão bem pensada para permitir que Zawadi, o seu filho, jogasse sem restrições. Antes do seu nascimento, eles se mudaram para um antigo bangalô de três quartos que eles renovaram ao longo do tempo.

"Queríamos que ele crescesse em um ambiente onde ele pudesse explorar livremente", disse Riziki.

No entanto, em seu segundo ano, houve momentos menos agradáveis, enquanto o casal assistia o menino de seus olhos a recuar seus pasos. Zawadi perdeu a fala e a sua saúde deteriorou-se. As visitas do médico não conseguiram estabelecer a causa do retardo no seu desenvolvimento. Ele ficou mais irritável, recusou-se a comer e desenvolveu regressão de fala e convulsões. Seus pais estavam exaustos e estressados.

Depois de muitos exames de sangue, o envenenamento por chumbo foi diagnosticado e a causa foi atribuída às reformas domésticas, em particular ao trabalho de pintura que o casal tinha realizado. Compostos de chumbo foram adicionados rotineiramente na pintoura para dar certas propriedades, como um melhor cor e atributos para um secagem rápido."Quebrou nossos corações que o nosso filho foi tão afetado pela exposição ao chumbo que até sofreu perda de audição", disse Riziki. O chumbo acumula-se no corpo e a Organização Mundial de Saúde (OMS) descobriu que não há nenhum nível seguro de exposição conhecido. É particularmente prejudicial para as crianças pequenas. A Dra. Mbira Gikonyo otorrinolaringologista especialista no Landmark Medical Plaza, em Nairobi, Quénia , tratou muitas crianças por envenenamento por chumbo.

Ela disse: “Causa retardo mental, perda de audição, transtornos do humor, dificuldades de concentração, comprometimento de memória e dores de cabeça. Dores nas articulações, dores de músculos, dor abdominal e hipertensão arterial são outras queixas comuns quando as pessoas estão expostas ao metal tóxico."

A pintura com chumbo ja tem sido proibida em países de alta renda há várias décadas, no entanto, ainda está disponível em muitos países africanos. A Organização Mundial da Saúde e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente levam em conjunto a Aliança Global para eliminar a pintura com chumbo, que visa ter todos os países a implementando juridicamente controles legais sobre o fabricação, importação, venda e utilização de pintura com chumbo até 2020. Ate o 31 de agosto de 2018, apenas seis países da região relataram ter leis já em vigor, ou prontas a ser promulgada, que restringir o uso de chumbo na pintura.

Desde o início deste ano, a Quénia  tem implementados controles legalmente vinculativos sobre o chumbo na pintura. As pinturas podem incluir argilas naturais e outras matérias-primas que contenham teor residual de chumbo, portanto, não é tecnicamente viável definir um limite “zero” para o teor de chumbo na pintura. A Quénia  é um dos poucos países do mundo que promulgou o limite legal mais restritivo para o chumbo em pintura.

A Dr. Faridah Hussein Were é professora da Universidade de Nairobi e membro do Conselho Consultivo da Lead Paint Alliance. Ela disse: "A Quénia  tem o menor nível de limite permitido de chumbo total na pintura - 90 partes por milhão, o que é o mais protetor para a saúde humana e o meio ambiente".

A Quénia  também contribuiu para a harmonização do chumbo no padrão de pintura na África Oriental.

“O padrão de esboço da pintura com um outro produto aliado está atualmente aberto para comentários públicos antes da sua finalização. Uma vez finalizado, o padrão regulará o chumbo na pintura nos Estados Parceiros da África Oriental ”, disse o Dr. Were.

Charles Ndika Akong, Environmental Health Promotion Officer at WHO’s Regional Office for Africa underlines that phasing out lead paint will not only save lives but also money.

“It’s estimated that the annual cost of lead exposure to Africans is US$134.7 billion. By contrast the financial cost of eliminating the use of lead compounds in many paints is low,” said Mr Akong.

Charles Ndika Akong, Oficial de Promoção da Saúde Ambiental do Escritório Regional Africano da OMS, sublinha que a eliminação gradual da pintura à base de chumbo não só salvará vidas, mas também dinheiro.

“Estima-se que o custo anual da exposição de chumbo a africanos seja de 134,7 bilhões de Dolares. Em contraste, o custo financeiro de eliminar o uso de compostos de chumbo em muitas pinturas é baixo ”, disse Akong.

Esta semana, durante uma sessão paralela na Terceira Conferência Interministerial sobre Saúde e Meio Ambiente em Libreville, Gabon, representantes do governo, da OMS, da ONU, pesquisadores e sociedade civil pressionaram para que mais países da África estabelecessem limites legais contra o chumbo na pintura.

A Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a OMS e outros parceiros executarão em breve uma Abordagem Estratégica para o Projeto Internacional de Gerenciamento de Produtos Químicos (SAICM) financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente que visa ajudar a 40 países em todo o mundo a implementar as medidas de control legalmente obrigatórias.

Por enquanto, Riziki está assistindo seu filho crescer. Ela espera por uma educação de saúde pública mais ativa e pela implementação dedicada da proibição do chumbo na África.

“A proibição do uso de chumbo em pinturas e outros produtos é muito boa. Deveria haver mais esforços para educar os pais sobre os perigos da ingestão de chumbo, já que a maioria das casas ainda tem pinturas e tubos com chumbo”, concluiu.

Click image to enlarge