Sudão do Sul inicia vacinação de profissionais de saúde contra contra o vírus do Ébola

Yambio, 28 de janeiro de 2019 - O Ministério da Saúde do Sudão do Sul, com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), Gavi, a Aliança de Vacinas, UNICEF, os Centros para o Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e outros parceiros, lançou hoje a imunização de trabalhadores de saúde e outros trabalhadores da linha de frente contra o Ebola como parte de medidas de preparação para combater a doença.

A vacinação começou em Yambio, no estado de Gbudue. Os profissionais de saúde em Tombura, Yei e Nimule, bem como a capital, Juba, também receberão a vacina. Estas são áreas de alto risco na fronteira com a República Democrática do Congo (RDC), que atualmente está passando pelo seu décimo surto de Ebola. O surto começou em 1 de agosto de 2018. Os países vizinhos ainda não relataram nenhum caso de Ebola, mas a preparação é crucial.

Como parte dessas atividades de preparação, o Sudão do Sul recebeu 2.160 doses da vacina do Merck (rVSV-ZEBOV) o fabricante do medicamento. A vacina oferece proteção contra a chamada cepa zairense do vírus, que atualmente é abundante na RDC.

"É absolutamente vital que estejamos prontos para enfrentar qualquer possibilidade de o Ebola se espalhar para além da República Democrática do Congo", disse o Dr. Matshidiso Moeti, Diretor Regional da OMS para a África. "A OMS está investindo muitos recursos para evitar que o Ebola se espalhe para fora da RDC e para ajudar os governos a estarem mais preparados para responder caso surja um caso positivo de Ebola", disse ele. ela acrescentou.

A vacinação é uma das muitas medidas de preparação que o Sudão do Sul está implementando. A OMS mobilizou mais de 30 funcionários para apoiar essas atividades.

Em particular, a OMS ajudou a treinar 60 profissionais de saúde nos princípios de boas práticas clínicas e procedimentos de protocolo para a entrega da vacina (ainda não registrada) contra o Ebola.

Para detectar qualquer viajante que entre no país e que possa estar infectado com o vírus, o Ministério da Saúde, com o apoio dos seus parceiros, montou 17 pontos de rastreamento. Quase um milhão de pessoas foram examinadas até o momento.

A OMS também apóia o envolvimento com as comunidades, a vigilância ativa da doença ao nível da comunidade e nos centros de saúde, a capacitação para a prevenção de infecções, o controle e o gerenciamento de casos, bem como a disseminação de informações sobre o Ebola através da mídia. A capacidade dos laboratórios locais para testar mostras retiradas de pessoas suspeitas de ter Ebola também é reforçada. O equipamento de proteção para os respondedores foi armazenado em um armazém especializado.

Gavi, a Aliança de Vacinas, além do seu trabalho no fornecimento de vacinas contra o Ebola, está fornecendo 2 milhões de Dolares para apoiar os esforços de imunização da OMS nos países vizinhos da RDC, incluindo a África do Sul e Sudão do Sul.

"Embora a pesquisa ainda esteja em andamento, os dados disponíveis até o momento sugerem que a vacina contra Ebola é uma ferramenta muito eficaz para ajudar a deter epidemias e pode ser usada para evitar que essa epidemia se torne uma epidemia regional", enfatiza. Dr. Seth Berkley, CEO da Gavi. "A vacinação dos trabalhadores na linha de frente e dos profissionais de saúde nas áreas fronteiriças do Sudão do Sul será crucial, já que a possibilidade de uma epidemia no Sudão do Sul seria muito preocupante".

Do seu lado, Uganda começou a vacinar seus trabalhadores da linha de frente em novembro de 2018. Até o momento, mais de 2.600 profissionais da saúde distribuídos em oito distritos sanitários de alto risco foram vacinados. Na vizinha RDC, mais de 66.000 pessoas foram vacinadas, incluindo mais de 21.000 trabalhadores de saúde e outros trabalhadores na linha de frente. Ruanda também planeja vacinar seus trabalhadores nesta linha.

A vacina rVSV-ZEBOV, que ainda não foi registrada, demonstrou (após um grande estudo) ser muito eficaz na proteção contra a cepa zairense do vírus Ebola. Embora ainda não tenha sido licenciada comercialmente, a vacina é fornecida sob o que é conhecido como "uso compassivo" para combater o atual surto de Ebola na província de Kivu Norte. RDC, em consonância com as recomendações do Grupo Consultivo de Especialistas Estratégicos sobre Imunização. Esta vacina também foi usada quando um surto de ebola irrompeu na província de Equateur em maio e julho de 2018.

Click image to enlarge
For Additional Information or to Request Interviews, Please contact:
Ms Jemila M. Ebrahim

Communications Officer
Mobile: +211 921 647 859
Email: ebrahimj [at] who.int

Lianne Gutcher

Email: gutcherl [at] who.int

OKA Sakuya

Communications Manager (a.i)
WHO Regional Office for Africa
Tel: +242 06 508 1009
Email: okas [at] who.int